Data de publicação: 06-02-2008 00:00:00

“Escolhe, pois, a Vida” - Campanha da Fraternidade 2008.

Contabilidade Eldorado

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, lançou nessa quarta-feira, 06.02, a Campanha da Fraternidade- CF 2008. A Campanha tem como tema Fraternidade e Defesa da Vida, e como lema “Escolhe, pois, a Vida” Dt. 30 -19.
 
Na região metropolitana de Belo Horizonte, o lançamento da CF 2008 acontece no dia 07 de fevereiro, às 14 horas, no Servas -Valores de Minas- Av. dos Andradas, 767- próximo ao Parque Municipal- centro da capital.

O evento reuniu Dom Walmor de Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de Belo Horizonte; Pe. Ademir Ragazzi, vigário episcopal para Ação Social e Política; diversas associações, entidades, e movimentos e pastorais que atuam na defesa e promoção da vida.

Fraternidade e defesa da vida

E a vida? E a vida o que é diga lá, meu irmão?  O cantor Gonzaguinha, ao escrever e cantar esta música, nos convida ao exercício reflexivo de avaliar e ver a vida, com seus dilemas e desafios, em meio a uma visão positiva e otimista do que ela é ou deveria ser. A visão cristã e sensível do universo, e com ele, a de toda a criação e as diversas manifestações de vida, reforçam este chamado desafiador nos dias de hoje.

A vida, em suas diversas faces, está a nos pedir socorro, a nos fazer compreender a urgência de novas atitudes, novo jeito de ser na condução dos rumos do planeta. Vivemos o dilema da fragilidade da vida em meio às esperanças. Deus confiou ao homem e à mulher os destinos do mundo.

Ele nos dá um voto de confiança, ao nos entregar tudo o que nele está e, se assim posso dizer, do que ainda está por vir, como fruto do (s) talento (s) que impulsionam nossa intervenção e transformação no que diante de nós se manifesta. Mas Deus também nos convoca a compreender a terra, e tudo o que nela existe, como bens comuns de toda a humanidade.

Constatação social

A gestão desta confiança tem mostrado que há um caos administrativo. A vida, com seu lado tênue e frágil, vem assumindo proporções grandiosas, e que a conduzem à condição de banalização e conformismo. Registramos como prática o convívio com a fome, a exclusão social, a agressão ao ecossistema, à intolerância em meio aos diversos sinais de violência; enfim, ao estado de crise planetária.

O registro desta radiografia social mostra que estamos na contramão da DEFESA DA VIDA. Alimentamos em nossa história um comportamento de caráter individualista e pouco solidário, que se configura na concentração de renda geradora de todas as violências.

O Brasil continua sendo um dos países com mais desigualdades no mundo – 1% mais rico tem renda igual à dos 50% mais pobres. O acúmulo de uns leva a falta para outros. Faltando renda; falta dignidade, falta vida. A renda, numa lógica de mercado, significa sobrevivência. Portanto, quem não tem renda, seja no campo ou na cidade, compromete ou não tem garantida sua sobrivivência.

A fragilidade da vida, dentro dos aspectos fundamentais que compõe a extensão de sua dignidade, cria situações em cadeias que vão se revelar no tecido social mais amplo. A quem tudo ou quase tudo é negado, sobra a rua como denúncia de que estamos na contramão da vida. Está em fase de finalização, pelo governo federal, a pesquisa que mostra o número da população que está vivendo na rua. Nas ruas de Belo Horizonte, conforme dados da Pastoral de Rua, vivem hoje  cerca de 1.200 (hum mil e duzentas) pessoas.

Prática da co-responsabilidade

A realidade aqui apresentada consolida uma desconsideração histórica de governos, e da nossa sociedade, no estímulo à vida no campo.  As cidades, e as metropolitanas muito mais, são hoje, muitas vezes, o grito de falência, carência e urgência de políticas públicas promotoras da inclusão social.

A vida comunitária em sentido amplo tem se tornado um pedido de socorro para que a vida se faça digna e justa. As políticas e ações de inclusão social, ao lado da má distribuição de renda têm um longo caminho “de volta” a percorrer! Construímos com os recursos chamados públicos uma sociedade do privilégio, exclusivista; muitas vezes, negador da VIDA.

Tudo que nega a vida deve nos incomodar. É um chamado de atenção para a mudança de rumos. Precisamos admitir que as circunstâncias são reais, porém, desafiadoras. Uma vez diante de nós, não nos entregarmos a ela; ou melhor, que ela nos desafie a construir o novo.

Nestes dias que antecedem o lançamento da Campanha da Fraternidade, nos preparemos! Assumamos uma atitude de acreditarmos e defendermos a vida, desde o ventre materno da mãe mulher, como da mãe terra, possibilitando todos explodirem em toda a extensão de vida plena.

Somos convidados a abraçarmos de forma apaixonada a bandeira da vida, de fazê-la tremular no resgate que dito por Gonzaguinha, de que ela, a vida “é um Divino mistério profundo, é o sopro do Criador numa atitude repleta de amor”. 

Vamos juntos defender a vida!  A Campanha da Fraternidade 2008 nos convoca a esta empreitada! É um reconstruir o caminho, um fazer com que a vida seja realmente viva. E nela, há vagas e trabalho para todos nós.

Por: Antônio Coquito é jornalista profissional e coordenador da Secretaria de Comunicação e Marketing do Vicariato Episcopal para Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte.

 

Comentários

Charge


Flagrante


Boca no Trombone


Guia Comercial


Enquetes


Previsão do Tempo


Siga-nos:

Endereço: Av. Cardeal Eugênio Pacelli, 1996, Cidade Industrial
Contagem / MG - CEP: 32210-003
Telefone: (31) 2559-3888
E-mail: redacao@diariodecontagem.com.br