Data de publicação: 11-01-2021 15:23:00

A hora de ajudar os jovens

Nova Faculdade
Foto: Reprodução Internet
 
Paulo Delgado*
 
Democracias ao redor do mundo, da Alemanha aos Estados Unidos (EUA), decidiram ajudar as suas populações a transitar com esperança pelos anos que estão vindo por aí. O maior desafio é oferecer ao jovem uma melhor inserção na sociedade. A Alemanha, que é pródiga nos programas de integração entre educação, empresas e atividades cívicas, está expandindo as portas de entrada para os jovens por meio de serviços tanto de orientação civil quanto militar. Os EUA fazem referência aberta aos programas que deram diversas ocupações aos jovens durante a depressão dos anos 1930 ao tramitarem no Congresso formas de expandir as oportunidades de serviço para a população desocupada. O importante é que os jovens estejam estudando, treinando ou trabalhando. O ideal é que os programas de inserção mesclem essas atividades.
 
O Brasil, que tem 51,3 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos, tem também entre os jovens a maior taxa de desemprego – acrescida da baixa esperança para o estudante. Segundo o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), a maior entidade filantrópica que atua pelos jovens no país, se as ações governamentais fossem capazes de combinar programas de estudo e trabalho, poderíamos combater o desemprego e a evasão escolar ao mesmo tempo, e, assim, unir o desejo de inovar das empresas à responsabilidade pública do Estado por meio de programas de estágio e aprendizagem.
 
O Estado não precisa nem deve fazer o papel de agente econômico, mas ele precisa dar a direção em áreas importantes, pois essa é a sua função como agregador dos diversos e conflitantes interesses sociais. Se isso pode ser relaxado em tempos de vento a favor, em momentos de crise, como agora, é essencial apontar a direção e dar as condições para que o rumo seja seguido. A década de 2020 começou com uma pandemia cujo precedente mais próximo – a gripe espanhola – ocorreu 100 anos atrás. Se, por um lado, pegou um mundo muito mais complexo – mas muito mais capaz de resolver problemas do que em 1920 –, por outro, chegou num momento de transformações tecnológicas, geopolíticas e sociais mais amplas do que as da década de 20.
 
Nada para assustar porque é normal que os desafios aumentem juntamente ao avanço do mundo e da capacidade humana – e tecnológica – de resolver problemas. Por várias razões, estamos vivendo o colapso espontâneo de estruturas sociais que amalgamavam e direcionavam a vida das pessoas. Isso é especialmente sentido em termos de oportunidades de trabalho e renda da população mais jovem. E é justamente por isso que ajudar a integrar o jovem ao mercado de trabalho se tornou mais importante do que nunca. Será preciso abrir várias frentes para absorver essa população de modo a evitar o desalento, aumentar a produtividade e o tamanho da economia com consequente retorno em recursos para o Estado. Se queremos ter esperança nos anos a seguir isso será uma questão de sobrevivência do Estado e da economia do país. Nações serão julgadas pela qualidade de suas políticas de transição. 
 
Entre 2012 e 2015, simplesmente mais da metade dos jovens espanhóis estava desempregada. Seria isso um efeito inescapável da crise? Negativo. Nesses mesmos anos, o desemprego entre os jovens alemães caiu ano após ano, mantendo-se abaixo de 10% desde 2011. Por que na Alemanha apenas um em cada dez jovens estava desempregado enquanto na Espanha era um em cada dois? Nada de questão cultural ou outras baboseiras que o preconceito vulgar tenta preguiçosamente enxergar. Afinal, durante muitos anos, o desemprego na Espanha foi menor do que na Alemanha. A diferença ocorre por conta do direcionamento que o Estado alemão, em parceria com empresas, ajuda a promover por meio de importantes instituições e programas que integram o jovem ao mercado de trabalho. O que o Estado alemão aprendeu a fazer – atuar em prol da harmonização da vida social com as demandas produtivas – é o aspecto que melhor funciona para o Brasil. Na crise atual, a integração jovem-escola-empresa é o tripé que precisa ser expandido.
 
A América Latina tem dois símbolos interconectados que sintetizam as dificuldades da região em atingir seu máximo potencial: informalidade e desigualdade. Nós copiamos o sistema estatal europeu, mas, até hoje, não conseguimos fazer a tarefa número um de qualquer Estado, que é formalizar os aspectos básicos da existência das pessoas que vivem dentro de suas fronteiras; é ajudar os jovens que precisam ser integrados a outros grupos sociais para formarmos uma verdadeira sociedade econômica próspera. Para isso, o Estado precisa dar força para que o setor formal e produtivo cresça com qualidade e não percamos os jovens para o crime, a baixa produtividade e o desalento.
 
--
 
*Professor universitário e sociólogo, superintendente institucional do CIEE Nacional (contato@paulodelgado.com.br). Artigo escrito em parceria com Henrique Delgado.
 
(O conteúdo dos artigos publicados pelo Diário de Contagem é de responsabilidade dos respectivos autores e não expressa a opinião do jornal.)
Comentários

Charge


Flagrante


Boca no Trombone


Guia Comercial


Enquetes


Previsão do Tempo


Siga-nos:

Endereço: Av. Cardeal Eugênio Pacelli, 1996, Cidade Industrial
Contagem / MG - CEP: 32210-003
Telefone: (31) 2559-3888
E-mail: redacao@diariodecontagem.com.br